Brasil e o quarto pais com mais internautas, mas desigualdade da rede ainda e um problema

 

Data: 05 de outubro de 2017

Fonte: Terra Tecnologia / Canaltech

 

De acordo com um relatório divulgado pela Conferência das Nações Unidas sobre o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), o Brasil está na quarta posição na lista de países com mais pessoas conectadas à internet. No entanto, a desigualdade da rede é um problema, que coloca o país em uma posição inferior no que diz respeito à qualidade.

Com 120 milhões de usuários conectados, o Brasil perde apenas para os Estados Unidos (242 milhões), Índia (333 milhões) e China (705 milhões), sendo que, depois do nosso país, aparecem o Japão (118 milhões), Rússia (104 milhões), Nigéria (87 milhões), Alemanha (72 milhões), México (72 milhões) e Reino Unido (59 milhões).

Contudo, o relatório também avaliou o ritmo de crescimento do acesso à internet nos anos mais recentes, entre 2012 e 2015, e o Brasil teve um crescimento médio de 3,5%, perdendo para Índia (4,5%), Japão (4,6%), Nigéria (4,9%) e México (5,9%), sendo que países mais ricos, como Estados Unidos, China, Alemanha e Reino Unido apresentaram um ritmo de crescimento ainda mais lento do que o Brasil. No entanto, essas nações já possuem taxas de penetração maiores, segundo dados da União Internacional de Telecomunicações.

 

Acesso desequilibrado

Ainda que o Brasil seja um dos cinco países mais conectados do mundo, a desigualdade no acesso à rede é gritante, segundo dados da pesquisa TIC Domicílios, do Núcleo de Informações e Comunicação do Comitê Gestor da Internet (CGI-Br). Segundo o levantamento, o percentual de residências conectadas é de 59% nos centros urbanos, enquanto as áreas rurais ficam com 26%. Já ao analisar as regiões do país, enquanto o Sudeste tem 64%, o Nordeste conta com 40%.

Ainda, casas cuja renda familiar seja de até um salário mínimo são somente 29% no que diz respeito à conexão com a internet, enquanto quem ganha até 10 salários mínimos representa 97% dos lares conectados.

Já ao avaliar a qualidade da conexão brasileira, a velocidade ainda é ruim, em geral. Segundo Flávia Lefévre, representante do Instituto Proteste e membro do Comitê Gestor da Internet, “a gente tem muitas pessoas conectadas, mas a qualidade do acesso ainda é ruim. A velocidade de provimento é menor do que a média mundial. Muitas pessoas ainda dependem de franquias ou de usar o Wi-Fi. Apesar de sermos a nona economia do mundo, temos no geral uma internet de baixa qualidade, especialmente para os mais pobres”.

Written by

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Etiam libero diam, elementum eget porttitor at, tincidunt at nulla. Integer lacus lorem, porttitor id dictum nec, fringilla ac sapien. Duis a sapien a mauris volutpat laoreet in sed.